A cúpula do G7 termina sem compromisso dos EUA sobre o acordo de Paris

A cúpula do G7 terminou na Sicília, após dois dias de discussões sobre o estado da economia mundial, a política externa, as alterações climáticas, e outras grandes questões globais. Durante a reunião, representantes do Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Reino Unido e da União Europeia reafirmaram seu compromisso com o acordo de Paris, com exceção dos Estados Unidos.

Os líderes emitiram uma declaração coletiva no encerramento das negociações, dizendo que eles se comprometeram a “fortalecer nossa segurança energética coletiva e garantir aberto, transparente, líquido e garantir mercados globais por recursos e tecnologias energéticas.” No entanto, ele também observou que “Estados Unidos da América está em processo de revisão das suas políticas sobre mudanças climáticas e sobre o acordo de Paris, e, portanto, não está em condições de aderir ao consenso sobre estes temas.”

No sábado, o presidente Donald Trump twittou que uma decisão sobre o acordo de Paris virá na próxima semana.

Vou fazer a minha decisão final sobre o Acordo de Paris na próxima semana!

- Donald J. Trump (@realDonaldTrump) 27 de maio, 2017

Os EUA assinaram o Acordo de Paris, em setembro, algo que então candidato Trump disse que iria cancelar uma vez no escritório. No início deste mês, no entanto, a Casa Branca disse que o presidente iria tomar uma decisão final sobre o compromisso da US depois que ele se reuniu com seus homólogos na cimeira desta semana.

Durante a reunião, os outros chefes de estado pressionado Trump se comprometer a permanecer no acordo, em uma tentativa de chegar a um consenso antes do final do evento. A ausência do US no consenso mostra uma divisão gritante entre os EUA e as outras nações. No entanto, autoridades dos EUA supostamente à procura de maneiras de permanecer no acordo, pedindo uma linguagem que aplacar US produtores de carvão e de maneiras de reduzir seus níveis de emissões para abaixo dos estabelecidos pela administração Obama em 2016.